Follow:
Vida na Itália

Hábitos italianos que já incorporei na minha vida

Nesses 9 meses que estou vivendo na Itália inevitavelmente acabei adquirindo alguns hábitos italianos.

Quem me acompanha desde os tempos do blog Comer e Coçar é Só Começar – quando ainda vivia no Brasil – sabe sou casada com o italiano mais carioca do mundo e por isso não me “italianei” assim tão fácil.

Mas vivendo aqui a coisa muda de figura. Sinceramente não achei que  incorporaria hábitos italianos tão fácil à minha rotina. O fato de ter chegado aqui depois dos 40 faz com que eu seja um pouco mais resistente à mudanças.

Alguns hábitos eu mudei para facilitar minha adaptação/inclusão, outros mudei por puro prazer mesmo.

Hábitos italianos que já incorporei na minha vida

1- Usar menos dinheiro de plástico

Até por causa da segurança, no Brasil eu quase não andava com dinheiro em espécie. Era muito prático usar o cartão de débito/crédito para praticamente tudo. A quase-certeza de ter um caixa eletrônico por esquina também me deixava mais tranquila se eu precisasse sacar dinheiro de última hora.

Por aqui não é bem assim. O sistema financeiro italiano é diferente do brasileiro e o povo italiano não tem o hábito de usar “dinheiro de plástico” para quase nada. Sem contar que pelo alto controle das contas bancárias e para fugir do imposto de renda, muita gente ainda guarda dinheiro “embaixo do colchão”.

Cartão de crédito por aqui é somente usado para emergências, quando o dinheiro do mês acaba e você precisa empurrar as contas um pouco mais para frente. Parcelamento do cartão? Não existe! O italiano é(ra) um povo que poupa e faz economia e a economia do país é baseada nisso.

Por isso, muitos estabelecimentos – principalmente os pequenos – preferem receber em cash. É claro que muitos estabelecimentos e principalmente as grandes lojas de cadeia possuem máquina de cartão, mas o povo em geral não tem o hábito de usar dinheiro de plástico como nós brasileiros-americanizados.

Eu acho bom e acho ruim. Acho bom pois ter sempre dinheiro à mão é ótimo em caso de emergências. E acho ruim porque é um saco ficar fazendo conta quanto dinheiro será suficiente, lembrar de sacar etc. Mas o fato é que me adaptei e mesmo tendo uma conta corrente italiana, hoje só uso dinheiro de plástico em caso de emergências.


2- Tomar o chá das 17h

Aqui não é a Inglaterra e eu nunca fui louca por chá. Aliás até hoje detesto chá preto, mate e derivados, mas adoro um chá à base de folhas e flores.

No inverno uma das estratégias para se aquecer é tomar bebidas quentes e para evitar de ficar me entupindo de café e chocolate.

Como meus sogros já tinham esse habito, eu e o marido acabamos “imitando” e todos os dias às 17h tomamos nosso chá com biscoitos.

O inverno se foi e o hábito ficou. Às vezes tomo chá o dia todo.


3- Ter flores em casa

Eu sempre amei plantas e flores, mas com o calor do Brasil elas morriam facilmente.

Como foi minha primeira primavera completa por aqui, tratei de providenciar logo minha jardineira com flores para o parapeito da varanda como quase todas as casas italianas. Agora devido ao calor estou lutando para mantê-las vivas.


4- Tudo com MUITO azeite

Esse foi um hábito que resisti muito afinal azeite é calórico. Mas na Itália pra evitar azeite você terá que fazer uma comida exclusiva para você além de não poder comer mais na casa de ninguém.

Sendo assim relaxei total e hoje me delicia com muito azeite de oliva. Na casa da sogra então, o azeite extra-virgem foi feito com as azeitonas colhidas por eles. Dá para resistir?


5- Almoçar sem pudor em qualquer lugar, inclusive dentro do trem

Essa foi uma questão se sobrevivência. Confesso que no início sentia muita vergonha, mas muitas vezes precisava voltar para Rimini logo depois do curso em Bolonha e não tinha tempo de parar em algum lugar para almoçar.

uma menina almoçando uma quentinha na praça de alimentação do shopping

Quando entrei no trem na hora do almoço e vi várias pessoas com a mesinha (tipo avião) abaixada, toalha xadrez e uma quentinha de plástico – sim meus amigos, quentinha. Essas pessoas almoçavam sem pudor. Sendo assim perdi a vergonha e decidi que meu estômago também não poderia esperar. Passei levar um sanduíche  e muitas vezes até uma saladinha para comer na viagem de volta à casa.


6- Almoçar piadinha ou cassone

Esse não foi um hábito fácil de mudar. Na realidade para mim nunca pode ser um hábito diário mas hoje já consigo facilmente trocar um prato de comida no almoço por uma piadina ou um cassone. Se for da minha sogra então, troco facilmente.

Só ainda não consegui substituir um prato de comida por melão e presunto cru, um hábito italiano muito comum no verão.


7- Ter lenço de papel sempre na bolsa e assoar o nariz sem pudor

(menos à mesa, claro)

No inverno inevitavelmente precisamos de lenços de papel sempre mão. Mesmo que você não esteja resfriada, o frio faz com que o nariz escorra – inclusive enquanto come coisas quentes – às vezes sangra e o olho lacrimeja por causa do vento.
No caso de nariz entupido/escorrendo, o italiano não se faz de rogado, pega seu lencinho de papel e FUMMMMMM. Eles assoam o nariz sem pudor em qualquer lugar!

Quando cheguei aqui estranhei demais esse hábito, que no Brasil é considerado nojento. Quando vivia lá, se estivesse resfriada, colocava remédio descongestionante e pronto.  Mas aqui não basta estar resfriada para o nariz escorrer até de pessoas que como eu nunca teve nenhum problema respiratório.  O jeito foi observar e se adaptar. Agora faço o meu FUMMMMMMM em praça pública e, juro, ninguém me olha de cara feia.


8- Só beber água mineral

Vocês sabiam que os italianos são os maiores consumidores de água mineral do mundo?

Eu não entendia o porque e achava um exagero gastar dinheiro comprando água mineral quando temos água potável saindo direto  da torneira. Vivendo aqui descobri que a ingestão da tão famosa água calcaria com o tempo pode causar problemas renais.

O jeito foi me adaptar e fazer como eles. Só que, ao invés de comprar água no supermercado e consumir milhões de garrafas plásticas, agora levo minhas garrafinhas até a sorgente urbana – fonte de água mineral – que fica na esquina da minha casa. E o melhor, de graça!


9- Fazer a scarpetta

Eu sei, eu sei que “finamente falando” fazer a scarpetta por aqui é falta de educação. Mas como resistir aquele suculento molho no macarrão que sobrou no fundo do prato se tem um pãozinho ali de frente te olhando?

fonte: tg24.info

Sim meus amigos, o ato de limpar o fundo do prato com um pãozinho aqui leva o nome de scarpetta, é considerado falta de educação, mas aqui em casa não resistimos.


10- No verão, só comer comida leve

Como já falei diversas vezes nesse blog, a cozinha italiana é totalmente sazonal e no verão a famosa dieta mediterrânea mostra todo seu frescor.
No verão você dificilmente encontrará alguém comendo um tortellini in brodo, uma polenta ou qualquer prato considerado por aqui de inverno.
Por outro lado na mesa italiana você encontrará muitos peixes e frutos do mar, saladas maravilhosas, massas frias e uma infinidade de outras delícias leves e frescas.

Eu que quando morava no Brasil cansei de tomar sopa de legumes no verão, hoje não me vejo fazendo isso por aqui. Acho que o calor seco deixa a gente com mais sede e fome de coisas leves, não sei.

Já repararam como a maior parte dos hábitos se referem a comida? Como poderia ser diferente?

Share:
Previous Post Next Post

Você também pode gostar

1 Comment

  • Reply leidiane

    Muito bom seu relato, amei as curiosidades! Espero voltar em breve à Itália!

    julho 28, 2017 at 1:37 pm
  • Leave a Reply