Follow:
Bate-e-volta, Rimini

Rimini

A chegada do verão me deu uma enorme vontade de contar para vocês um pouco de Rimini, a cidade onde vivo.

Apesar ir a Bolonha pelo menos 3 vezes por semana, minha casa fica em  uma cidade balneária a 120km dali.

Rimini é a cidade onde meu marido nasceu e que me conquista a cada dia, principalmente no verão quando posso usufruir dos seus 15km de praias com estruturas balneares “de babar”.

Mas a cidade não è só praia não. Ainda que boa parte do seu patrimônio histórico e artístico  tenha sido destruído na  segunda guerra mundial, Rimini possui um centro histórico fofo com muitos monumentos da época de dominação romana e idade média que contrastam com prédios da década de 50 quando a cidade explodiu para o turismo.

Eu costumo dizer que no verão a cidade (re)floresce e ganha um colorido todo especial. Não podemos negar que é a época do ano que ela recebe mais turistas interessados nas suas praias e por isso se enche de eventos para todas as idades.

Breve história de  Rimini

Segundo a lenda fundada por Hércules e Noé, a cidade de Rimini nasceu na verdade a partir de povoados Villanovianos, que foram construídos em áreas já habitadas na pré-história.

Ponto de passagem de povos diversos, como etruscos, gregos, Italicos e Celtas que se estabeleceram sucessivamente na foz do Rio Marecchia, Rimini assumiu o traçado que até hoje conhecemos quando os Romanos fundaram a colonia de Ariminum, cujo nome significa “a cidade sob o Marecchia”.

Rimini Romana (fonte: riminiromana.it)
1- Arco Augusto, 2- Porta Montanara, 3- Forum romano, 4- Ponte di Tibério, 5- Anfiteatro romano, 6- Domus del Chirurgo e 7- Museo della Città

 

Foram os romanos de fato traçar o cardo massimo e o decumando massimo, correspondentes as atuais Via Garibaldi, Via IV de Novembre e Corso d’Augusto.

O que visitar em Rimini

Rimini é uma moderna cidade balneária de coração antigo onde a simetria ordenada das ruas próximas ao mar contrasta com o centro histórico, onde as ruas convergem para a Piazza Tre Martiri, antigo Fórum da Ariminum romana.

Os prédios históricos mais importantes estão concentrados entre a Piazza Tre Martiri e a Piazza Cavour.

 


Pontos Turísticos do Centro histórico

Piazza Cavour

De provável origem Tardoromana, a Piazza Cavour é desde a idade média o centro da vida comunitária.
Ao lado da Vecchia Pescheria (1747), se localizam cafés e lojas que se abrem para a grande praça.

Do outro lado da praça estão importantes prédios públicos como o Palazzo del Podestà, Palazzo dell’Arengo (1204) e Palazzo Comunale (1687) assim como o imponente Teatro Galli (1856) parcialmente destruído na segunda guerra e que hoje está sendo reconstruído.

Ao centro da praça estão a Fontana da Pigna (1543), admirada por Leonardo da Vinci e a estátua de bronze do Papa Paolo V.

 


Piazza Tre Martiri

Aberta no local onde havia o antigo forum romano, a Piazza Tre Martiri adquiriu seu traçado atual entre os séculos XVI e XVII.

No lado oriental está a Torre dell’orologio. Construída em 1759, o relógio é proveniente de uma antiga torre do século XVI existente no local.

Na outra extremidade da praça está o Tempietto di S. Antonio da Padova (1518), erguido em memória ao milagre da mula realizado pelo Santo exatamente neste local.


Tempio Malatestiano

Considerado a representação das teorias arquitetônicas do renascimento, o Tempio Malatestiano é a catedral de Rimini.

O templo foi financiado pelo senhor de Rimini – Sigismondo Padolfo Malatesta – que não poupou esforços nem dinheiro para construir um local que recebesse futuramente seus restos mortais.

Construido onde anteriormente existia uma igreja gótica de S. Francesco, as obras começaram a partir de 1447 mas somente a partir de 1450 mediante o projeto de Leon Battista Alberti se realizou o clássico e majestoso invólucro em Pedra d’Istria das fachadas.

Para  completar adequadamente a igreja, Sigismondo contratou os melhores artistas da época.


Arco Augusto

Construído em 27 a.c. em honra ao Imperador Cesare Ottaviano Augusto, o Arco Augusto é o mais antigo dos monumentos sobrevivente da antiga Ariminum .

Ricamente decorado com símbolos que lembram a glória e o poder do império romano é o mais rico arco do triunfo do norte da Itália.


Ponte di Tiberio

A ponte que liga o centro de Rimini ao Borgo San Giuliano foi construída entre 14 e 21 d.c. e é uma das mais notáveis obras romanas sobreviventes.

Toda em pedra d’Istria a ponte conta com 5 arcadas que se apoiam sobre largos pilares dotados de estruturas quebra-mar para diminuir o impacto do fluxo de água do rio sobre sua estrutura.


Borgo San Giuliano

Do outro lado da Ponte di Tiberio está o Borgo San Giuliano, uma pequena vila de pescadores nascida no século XI.

Bem conservado com ruelas, pracinhas e casinhas baixas lindamente restauradas e coloridas é um dos bairros mais badalados da cidade.

Seus becos são alegremente decorados com murais de pintores rimineses que representam filmes e a vida de Federico Fellini, nascido na cidade.

No borgo se encontram bons restaurantes além de acontecerem vários eventos durante o verão.


Domus del Chirurgo

Situado na Piazza Ferrario complexo arqueológico foi encontrado em 1989 durante os trabalhos de reestruturação urbana.

O complexo recebeu esse nome do conjunto de instrumentos cirúrgicos e para a preparação de medicamentos encontrados nas escavações. O mais rico e completo conjunto desse tipo encontrado até hoje.

Decorado com afrescos e mosaicos entre as quais se destaca um painel de vidro com peixes a pestigiosa Domus (casa) de dois andares foi destruída no século III por um ataque bárbaro.

O conjunto de instrumentos cirúrgicos encontrados ali se encontram no Museo della Città.


Fora do Centro Histórico

Grand Hotel

Declarado monumento nacional em 1994, o Grand Hotel de Rimini é ligado ao nome de Federico Fellini que nos seus ambientes rodou algumas cenas de Amacord.

fachada do Grand hotel de Rimini

Inaugurado em 1908 e projetado pelo arquiteto Paolito Somazzi  o Grand Hotel foi durante muito tempo o símbolo de uma Rimini balneária com seus 200 quartos, jardins, lojas, terraços e salões onde aconteciam grandes festas.


Porto canale

Antiga foz do rio Marecchia, hoje é um local de passeio dos rimineses e turistas. À isquerda do porto estão as atividades ligadas à pesca: Canteiros navais, mercado náutico e de peixe.

veleiros ancorados na marina de Rimini

À direita uma ciclovia percorre o canal e chega ao Farol (1754) e a Ruota Panorâmica.

Do lado oposto está a Ruota Panoramica Rimini: montada anualmente próxima ao Porto Canale já se tornou parte integrante do skyline da cidade. Com 55 metros de altura e cabines fechadas, lá de cima é possível ter uma visão panorâmica da coloridissma orla.


Nuova Darsena

Do outro lado do Porto Canale está o ancoradouro novo chamado de Porto Turístico Marina de Rimini ou Darsena para os locais.
Inaugurado em 2002 e considerado por especialistas um dos mais bem equipados do mediterrâneo o local oferece eventos culturais e esportivos, vários barzinhos e restaurantes além de uma passarela elevada de 1,3km ao longo do cais.


Marina Centro

É bairro à beira-mar, o coração da Rimini balneária onde em 1843 surgiu o primeiro estabelecimento dedicado ao banho de mar.

Em 1845 foi realizado uma ligação com carroças para unir o centro histórico à marina.

 


Rimini de verão

Sem dúvida é a época que a cidade ganha mais vida. Quem mora aqui, principalmente próximo ao mar, a partir de abril começa a ver a cidade desabrochar aos poucos.

A vida no inverno funciona principalmente em torno ao centro histórico mas no verão a zona próxima ao mar – Marina Centro – ganha mais vida e movimento, principalmente por causa do turismo

Os bares, restaurantes e as estruturas balneárias que passaram meses fechadas voltam a funcionar e dão vida a essa zona.

Pessoas praticando esporte na orla de Rimini

Uma ciclovia percorre toda orla e um delicioso calçadão com banquinhos deixa o passeio ainda mais gostoso.

Rimini é a cidade perfeita para famílias com crianças, mas também para jovens e adultos.

Leia também o post sobre os parques de diversão da Emília-Romanha, muitos ficam nos arredores de Rimini

Para quem gosta de música e festas, além das famosas discotecas, a partir de junho acontecem na cidade muitos eventos.

A Molo Street Parede – super festa de música eletrônica – e a Notte Rosa – uma espécie de viradão cultural com shows por toda a cidade – são apenas alguns deles.


As praias de Rimini

O mar de Rimini é muito tranquilo e não tem ondas. Os ventos são quase sempre presentes proporcionando o clima ideal para os esportes de vela e refrescando a cidade. Lembre-se que no verão italiano os termômetros podem chegar facilmente aos  38ºC!

A “cereja do bolo” da orla riminese certamente são suas estruturas balneárias, chamadas por aqui de bagno.

Cada bagno conta com  um bar/restaurante, banheiros, duchas, guarda-volumes e parquinho para as crianças.

Existem alguns que oferecem quadras, aparelhos de ginástica, piscina e hidromassagem (pagos à parte).

Para usufruir de todos esses serviços basta alugar uma espreguiçadeira e/ou guarda-sol por um dia ou pacotes que podem durar 1 mês ou até todo verão.

Preços: A diária de uma espreguiçadeira varia de 3 euros a 6 euros dependo da localização e do que oferece o bagno. Duas espreguiçadeiras e um guarda-sol custam na faixa de 16 euros.

Pagando esse preço você “compra” o direito de usar sua espreguiçadeira o dia inteiro. Pode sair para almoçar (ou até tirar um cochilo no hotel) e voltar que ela não estará ocupada por ninguém.

Você pode optar por almoçar no restaurante do bagno ou pode levar seu lanche/almoço pois muitos  bagni oferecem mesas para piquenique.

Garanto que uma vez que você prove todo a comodidade de uma praia dessas, nunca mais vai querer outra vida!


O que comer em Rimini

A cozinha Romagnola é uma cozinha mais simples, rude sendo até, algumas vezes classificada como ”caipira”. Conta com um número modesto de pratos e valoriza o consumo de peixes e vegetais.

Street Food

fonte: consiglidigusto.it

Piadina Romagnola – Amada pelos Italianos, é o produto de excelência da Romanha. Piadina são discos semelhantes aos wraps, crepes ou pães sírios dobrados ao meio e recheados com as mais variadas iguarias. O recheio tradicional. A piadina na Romanha varia de espessura conforme a zona. Aqui no sul a piadina é mais fina e menos pesada e deve ser consumida logo depois de pronta.

Cassone – Um piadina muito fina (2mm de espessura) recheada e depois fechada como um pastel. O recheio tradicional leva verduras escuras como espinafre salteado ou verduras regionais. Existem muitas outras variações.

Eu já ensinei a receita da piadina e cassone da minha sogra nesse post aqui

Fritti di pesce – Um prato ou cone de papel com vários tipos de peixes empanados e fritos.

Massas

Cappelletti in brodo – Massa Capeletti recheada com carne ou queijo e servidos com um caldo (brodo) de legumes ou carne. Muito comum no inverno. É um prato natalino.

Tagliolini con le poveracce – Massa tipo tagliolini com molho de vongole chamados por aqui de poveracce ou “pobrezinhas”.

Peixes

Pesci azzurri – São peixinhos de uma determinada família como por exemplo Sarda, Alici (ou acciughe) e Sardina (ou sardoni), Saraghina e Sardoncini.

Um prato de sardoncino, prato tipico de Rimini

Sandoncini, prato tipico de Rimini

Sardoncini – Também chamado de acciuga ou alice é um peixinho que se come na brasa ou na piadina.

Seppia con piselli – Sepia é um molusco que lembra a lula. Por aqui é cozida junto com ervilhas e molho de tomates (opcional).

Brodetto di pesce – Prato típico da zona do Adriático, o brodetto di pesce nada maisé  que uma sopa com vários tipos de peixes e moluscos.

Doces

Bustrengo – É uma torta caseira preparada com pão amanhecido ou farinha de rosca, ovos, leite e açúcar.

Bebidas

Vinho Sangiovese – Vinho romanholo é Sangiovese! Nos últimos trinta anos graças à mudança da geração de produtores houve um renovamento das técnicas de cultivo e vinificação que estão levando à uma produção de alta qualidade. Uma vez em Rimini, beba um vinho da região.

 


 Onde Comer

Quando é para falar sobre onde comer bem eu me empolgo. Era para ser uma pequena lista sobre os restaurantes que mais curto na minha cidade mas depois do blog Comer e Coçar é Só Começar não consigo mais ser sucinta quando se trata de falar sobre comer bem.

Leiam também outras dicas e restaurantes em Rimini no meu outro blog, o Comer e Coçar é só começar

Os restaurantes marcados com um * é aconselhado reservar.

Steer Food

Nude Crud – Piada, Cassoni e outros sanduíches deliciosos no Borgo San Giuliano. O PidBurger de carne de chianina é meu predileto. Serve também pratos do dia a bons preços.  Viale Tibério 27.

Da Lella – Histórica piadineria riminese conserva intocada a receita tradicional. Possui dois endereços: Viale Rimembranze, 74 e Via Covignano, 96

Casinha del Bôsco – Ponto de referência quando se quer comer uma piadina  de qualidade em Marina Centro, o Casina do Bosco possui uma deliciosa varanda no segundo andar.  Viale Antonio Beccadelli, 15

Frutos do mar

La Marianna* – Do mesmo grupo do Nud Crud e Osteria del Borg, esse restaurante fofo localizado no Borgo San Giuliano serve pratos de peixe o ano inteiro.  Viale Tiberius 19

Il Pescato del Canevone * – Serve somente peixe fresco e por isso não tem menu fixo. Via Luigi Tonini 34.

Dalla Saraghina – Restaurante fofo à beira mar que serve pratos de peixes da tradição Romagnola. Lungomare Murri, 5

Cozinha Tadicional 

Osteria del Borg – Loocalizada no coração do Borgo San Giuliano é uma Osteria informal, ótima pra comer pratos da tradição e até uma boa carne na brasa acompanhada de legumes grelhados ou verduras saltedas. Via Forzieri 12.

Vegetariano

Bio’s Kitchen – Menu e Buffet a quilo variadíssimo durante o dia. Pizzaria à noite. Comida deliciosa. Via della Fiera 66.

Cozinha Modena ($$$)

Abocar Due Cucine *- Cozinha Italiana com toque sul americano.  Via Carlo Farini, 13

Ristorante Guido* – Na beira da praia e com uma estrela michelin, serve pratos criativos de peixes locais desde 1946. Menu degustação na faixa de 75 euros. Lungomare Spadazzi 12.

Gelateria

Il Castello – Com duas filiais na cidade, Il Castello faz um excelente gelato. Foi por muito tempo minha gelateria predileta na cidade. Piazza Cavour, ao lado da Vecchia Pescheria.

Puro e Bio – Mina gelateria predileta na cidade. Sabores criativos e gelato bem feito sem excesso de açúcar. Viale Roberto Valturio, 39

Aperitivo em Marina Centro (verão)

Darsena – Sem dúvida o aperitivo mais badalado de Rimini. O bar Darsena fica no bairro de mesmo nome e disfruta de um lindo por do sol. Viale Ortigara 78/80.

Il Giardino – Também badaladinho, no peritivo do Giardino você compra uma bebida (5/6 euros) e pode se servir à vontade no buffet de saladas e comidinhas. Lungomare Claudio Tintori.

Momentino –  Aperitivo Gourmetizado, aqui ao comprar uma bebida, ela vem acompanhada de três cones com diversos o recheios. Lungomare Tintori 5.

 


Onde Dormir

O ideal é passar ao menos 2 dias inteiros na cidade para poder curtir a praia e o centro histórico com calma.

A oferta de hotéis é absurdamente grande. A maior parte deles está à beira mar. A melhor zona para se hospedar é Marina Centro onde os hotéis são proporcionalmente mais caros. Os bairros de periferia oferecem hotéis a preços menos salgados com a mesma infraestrutura balneária.

Faça sua reserva por este link do booking.com  e nos dê a possibilidade de ganhar uma comissão. Não custará nem um centavo a mais para você.


Outras dicas:

  • Você pode conhecer a Rimini Romana no site www.riminiromana.it

Para outras informações sobre a cidade:
Centro de informações turísticas de Rimini – www.riminiturismo.it

Rimini Marina Centro
Piazzale Fellini n. 3 – Tel. 0541-56902 e 0541-53399
e-mail: marinacentro@riminireservation.it

Rimini Centro Città presso Stazione FFSS
Piazzale Cesare Battisti, 1 – Tel. 0541-51331 e 0541-24760
e-mail: stazione@riminireservation.it


Como chegar à Rimini

Avião: O aeroporto de Bolonha fica a 120 km de distância da cidade de Cesena.

Chegando pelo aeroporto você tem as seguintes opções:

  • Alugar um carro, a opção mais comoda;
  • Ir até a Estação Central de Bolonha, pegar um trem até Rimini (€9,85).
  • Usufruir do novíssimo sistema Rimini Shuttle que liga diretamente o aeroporto de Bolonha à Rimini com confrontáveis ônibus de turismo – www.shuttleriminibologna.it

Carro: Siga pela Autoestrada A14 Bologna – Ancona e pegue a saída “Rimini” e “Rimini Sud”.

Os carros não podem entrar no centro histórico portanto a melhor opção é estacionar nas várias vagas nas ruas do entorno. Aconselho o Estacionamento Piazza Malatesta, praticamente no coração da cidade.

Rimini

Share:
Previous Post Next Post

Você também pode gostar

2 Comments

  • Reply Denya

    Dani, o que dizer deste post???? Que é um super post ;)!
    Estou doida pra passear pelo Borgo San Giuliano , que ainda não conheço mas pelas fotos já me encantei.
    Em breve estaremos por aí e espero poder te encontrar.
    Beijoca de Firenze, D

    junho 30, 2017 at 3:17 pm
    • Reply Dani Bispo

      Super né? Como eu poderia ser sucinta em se tratando de Rimini? Vamos nos encontrar simmmmm!! beijão!

      junho 30, 2017 at 3:19 pm

    Leave a Reply